Papaiz

25
jul

Radiologia Odontológica e suas aplicabilidades na Periodontia

A doença periodontal é uma infecção bacteriana crônica causada por microrganismos gram-negativos anaeróbicos presentes no biofilme aderido aos dentes. A doença periodontal, de forma lenta, vai progressivamente destruindo o osso alveolar e é, em grande parte, irreversível. As técnicas radiográficas intra orais – especialmente a técnica interproximal – permitem a observação da relação entre a altura (aproximada) da crista óssea

Leia mais

13
jun

Enxertos ósseos – sua aplicação em Odontologia

O tecido ósseo é um tecido conjuntivo especializado formado por células e matriz extracelular calcificadas. Trata-se de um tecido vascularizado, capaz de se modelar ao longo da vida de um indivíduo. A atividade osteoclástica e osteoblástica do organismo, de um modo geral, é dinâmica e mediada por ação hormonal (calcitonina e paratormônio) responsável por manter estáveis os níveis séricos de

Leia mais

2
maio

Tomografia computadorizada aplicada à Endodontia

Dizem que os olhos do endodontista estão na ponta dos dedos porque não é possível, clinicamente, observar a anatomia dental interna; mas é possível “senti-la”. Por esta razão, o endodontista precisa ter visão de raios X: as diversas etapas do tratamento endodôntico só podem ser avaliadas por meio de radiografias periapicais. No entanto, toda e qualquer radiografia sempre nos mostrará

Leia mais

21
mar

Patologias das Articulações Temporomandibulares: DTM

A edição de março de 2016 do Boletim Informativo da Papaiz abordará os aspectos radiográficos e tomográficos das patologias/alterações mais frequentes da Articulação Temporomandibular, bem como seus aspectos clínicos. Para uma recapitulação de tópicos da anatomia e fisiologia da ATM, recomendamos ao colega uma visita à nossa publicação de outubro de 2014 “Articulação Temporomandibular: métodos radiográficos” através do link: https://www.papaizassociados.com.br/articulacao-temporomandibular-metodos-radiograficos/

Leia mais

3
fev

A importância da história clínica para o Radiologista Odontológico

A elaboração de um diagnóstico é um desafio. Inicia-se pelo exame clínico, onde estudamos os sinais e sintomas ante a um determinado quadro clínico. Em outras palavras, alterações anátomo-fisiológicas de uma região são manifestações clínicas (sinais) de uma dada doença, que são perceptíveis ao profissional; já os sintomas são relatos, fornecidos pelo doente (dor, ardor, prurido, etc.). O exame clínico

Leia mais

9
nov

Cisto Ósseo Traumático como achado Radiográfico

O Cisto Ósseo Traumático (COT) ao contrário do que seu nome indica, não possui um recobrimento epitelial característico de lesões císticas, e, por esta razão, esta lesão é classificada como um “pseudo cisto”. O COT pode se apresentar como uma cavidade vazia ou estar preenchida por conteúdo fluido (sero-sanguinolento, por vezes). Esta patologia possui vários sinônimos: cisto ósseo simples, cisto

Leia mais

7
out

Raios X: Um breve histórico, propriedades e doses de radiação.

Um breve histórico, propriedades e doses de radiação.   Em 1895, o físico alemão Willhelm Konrad Roentgen, na Universidade de Wuzbug, Alemanha, trabalhava em experimentos em um tubo de correntes elétricas em um laboratório completamente escuro. Roentgen percebeu que a superfície de um papel especial (contendo cianeto de bário) próxima ao tubo, refletia uma “claridade” esverdeada durante o experimento. O

Leia mais

24
ago

Osteomielites do complexo Maxilo Mandibular

Osteomielite é um processo inflamatório/infeccioso iniciado no osso medular, que pode estender-se para o osso cortical e partes moles. A maioria das Osteomielites que acometem nossa área de interesse inicia-se por meio de uma invasão bacteriana em um dente destruído ou um alvéolo em reparação, por exemplo. Já uma pequena porcentagem de osteomielites maxilomandibulares, mais graves, podem ocorrer por infecções

Leia mais

20
jul

Calcificações dos tecidos moles do Complexo Maxilo Facial – Parte II

Nesta edição do boletim informativo da Papaiz, continuaremos a abordar as calcificações mais frequentes que acometem os tecidos moles maxilo faciais Alongamento do processo estilóide do osso temporal O osso temporal – osso pertencente ao neurocrânio e que compõe, externamente parte da superfície lateral do crânio e internamente forma parte das fossas média e posterior da cavidade craniana – possui

Leia mais

18
jun

Calcificações dos tecidos moles do Complexo Maxilo Facial

Para que possamos discutir o tema “calcificação”, nesta edição vamos recordar brevemente o conteúdo que esta palavra carrega. O íon cálcio é o mineral mais abundante no corpo humano; suas funções são inúmeras e importantes dentro do organismo. O cálcio tem seu papel dentro do metabolismo de toda e qualquer célula, seja na coagulação sanguínea, seja na transmissão de impulsos

Leia mais