Tumores Odontogênicos II

Nesta edição do Boletim Científico da Papaiz, continuaremos a discorrer sobre Tumores Odontogêncos: Tumor Odontogênico Ceratocistico e Tumor Odontogênico Cístico Calcificante.

 

Tumor Odontogênico Ceratocístico

 

Em 2005, a Organização Mundial da Saúde classificou o então “Queratocisto”, para Tumor Odontogênico Ceratocístico (TOC) ou Tumor Odontogenico Queratocístico, devido ao seu comportamento biológico agressivo e por apresentar alta taxa de recidiva (em torno de 30% dos casos).

Para alguns autores, o TOC pode ser classificado como uma entidade cística, que se desenvolve a partir dos restos da lâmina dental, porém de metabolismo similar ao de uma neoplasia

O TOC cresce através do osso medular, e, por esta razão, não costuma apresentar aumento de volume perceptível clinicamente; não é raro um TOC ser descoberto como achado radiográfico. Os pacientes acometidos pelo TOC frequentemente se queixam de parestesia do lábio inferior por vezes, dor e drenagem intrabucal também são relatados. Este tumor tem maior predileção pela mandíbula, em sua região posterior (ramo da mandíbula).

Pelos exames de imagem, o TOC caracteriza-se por uma imagem radiolúcida/hipodensa, de limites definidos e envolta por cortical/halo radiopaco/hiperdenso; pode haver adelgaçamento e rompimento de corticais, porém, como já citado, um abaulamento não é observado com frequência.

 

1

2

Imagem hipodensa observada em ramo da mandíbula, do lado esquerdo, de limites definidos e discretamente corticalizados, mantendo contato com o elemento 38 (não irrompido) e com o canal da mandíbula. Note que as corticais vestibular e lingual (ou lateral e medial) do ramo da mandíbula apresentam-se adelgaçados, mas não se observa aumento de volume expressivo. Imagem compatível com Tumo Odontogênico Queratocístico.

 

 

 

3

4

Imagem hipodensa de limites definidos e corticalizados, envolvendo a coroa do dente 48 (não irrompido). Observa-se um discreto aumento de volume da cortical do trígono retromolar correspondente (cortes sagitais), porém por cortes coronais e axiais, notamos apenas afinamento das corticais adjacentes. O canal da mandíbula tem seu trajeto preservado. Imagem compatível com Tumor Odontogênico Ceratocístico. Diagnóstico Diferencial: Cisto Dentígero.

Tumor Odontogênico Cístico Calcificante

 

 

Outro tumor que, em 2005, foi classificado pela OMS como neoplasia. O Tumor Odontogênico Cístico Calcificante (TOCC), antigamente conhecido como “Cisto de Gorlin”.

São lesões incomuns, de crescimento lento e indolor. Esta lesão demonstra uma consideravel diversidade histológica; por vezes, o TOCC pode estar associado a odontomas.

Imaginológicamente, mostram-se radiolúcidas/hipodensas, sendo que focos radiopacos/hiperdensos são frequentemente observados no interior do TOCC; podem apresentar limites definidos e corticalizados, porém a literatura também relata casos em que os limites difusos de certas lesões. De acordo com Cavalcanti (2012), um dente não irrompido pode estar associado em até um terço dos casos.

5

Imagem radiolúcida, projetada no interior do seio maxilar direito, associada ao elemento 18 não irrompido e deslocado de sua trajetória de irrupção. Observam-se notas radiopacas no limite superior da lesão. Imagem compatível com Tumor Odontogênico Cístico Calcificante. Diagnóstico Diferencial: Tumor Odontogênico Adenomatóide.

6

Imagem hipodensa, de limites definidos, porém não corticalizados, associada ao elemento 38 não irrompido. Observa-se rompimento das corticais lingual e do trígono retromolar. Observam-se múltiplas notas hiperdensas no interior da lesão: imagem compatível com Tumor Odontogênico Cístico Calcificante. Diagnóstico Diferencial: Tumor Odontogênico Adenomatóide.

7

Referências Bibliográficas

 

Sales MAO, Moreira CR, Pinheiro LR, Cavalcanti In: Diagnóstico por Imagem da Face. 2. ED – São Paulo: Santos, 2012. Capítulo 11 (Patologia – Lesões Benígnas). Pag. 331-394.

 Neville BW, Damm DD, Allen AM, Bouquot JE. Patologia Oral e Maxilofacial. 3 ED. – Rio de Janeiro: Elsevier, 2009. Capítulo 15 (Cistos e Tumores Odontogênicos). Pag. 679-741)

Shear M, Speight PM. Cistos da Região Bucomaxilofacial. 4. ED – São Paulo: Santos, 2011. Capítulo 3 (Queratocisto Odontogênico) Pag 6-58. Capítulo 8 (Cisto Odontogênico Calcificante). Pag. 100-107.

Abdi ITaheri Talesh KYazdani JKeshavarz Meshkin Fam SGhavimi MAArta SA. The effect of ameloblastoma and keratocystic odontogenic tumor on the displacement pattern of inferior alveolar canal in CBCT examinations. J Dent Res Dent Clin Dent Prospects. 2016;10(3):155-61. doi: 10.15171/joddd.2016

 

Khandelwal PAditya AMhapuskar A. Bilateral Calcifying Cystic Odontogenic Tumour of Mandible: A Rare Case Report and Review of Literature. J Clin Diagn Res. 2015 Nov;9(11):ZD20-2. doi: 10.7860/JCDR/2015/15817.6776. Epub 2015 Nov 1.

 

http://www.jaypeejournals.com/eJournals/ShowText.aspx?ID=4971&Type=FREE&TYP=TOP&IN=~/eJournals/images/JPLOGO.gif&IID=382&isPDF=NO

Comments are closed.