Odontologia na prevenção do AVC: Ateroma de Artéria Carótida

Odontologia na prevenção do AVC: Ateroma de Artéria Carótida

Para celebrar o mês de outubro – mês do Cirurgião Dentista – o nosso boletim informativo terá um tema especial, que ressalta ainda mais a importância do Cirurgião Dentista como profissional atuante na área da saúde. A Odontologia pode dar sua parcela de contribuição em uma questão de saúde pública: evitar os Acidentes Vasculares Cerebrais, AVC, principal causa de morte no Brasil.

De que modo o Cirurgião Dentista pode colaborar?

Imagem 1 folha 1

O Ateroma de Artéria Carótida é o principal fator responsável pela ocorrência do AVC e frequentemente, pode ser observado por meio dos exames de Radiologia Odontológica.
Atualmente, os profissionais da área da saúde trabalham com a filosofia da prevenção de doenças. Na Odontologia a dentística, por exemplo, estimula a higiene oral e uma alimentação regrada; a estomatologia trabalha com o autoexame na prevenção do câncer bucal. Acredita-se que da mesma forma que aquecimento muscular previne lesões aos atletas, os não fumantes têm menor probabilidade de desenvolver câncer pulmonar do que os fumantes.
De maneira geral, em todas as áreas da saúde, quanto mais cedo uma condição patológica for identificada, melhor o prognóstico e, portanto, mais conservador será o tratamento. Esta é a razão pela qual todo e qualquer método preventivo é importante. O diagnóstico precoce de lesões contribui para o aumento da perspectiva de vida dos brasileiros, que está aumentando.

O ateroma desenvolve-se progressiva e silenciosamente. Muitas vezes o Cirurgião Dentista pode ser o primeiro profissional da área da saúde a se deparar com um ateroma de carótida. Dentro da nossa área de atuação, podemos e devemos fazer um link, uma ponte, entre os pacientes mais propensos ao AVC com os achados imaginológicos, de modo a encaminhar pacientes de risco para as especialidades médicas, como a Cirurgia Vascular e a Cardiologia.

Imagem 2 folha 3

Ateroma de Artéria Carótida

O ateroma nada mais é do que um amontoado de moléculas de gordura (envolto por um tecido fibroso), que forma uma verdadeira placa, uma barreira, que obstrui a luz das artérias gradativamente. Se não for identificado precocemente, um ateroma de artéria carótida pode levar a um AVC.

Imagem 3 folha 4

Secção de uma artéria, mostrando sua luz reduzida em função das placas de ateroma.

Eis o papel do Cirurgião Dentista: ter em mãos a história médica do seu paciente e seus antecedentes familiares relatados através de anamnese, de modo que, ao juntar os fatores de risco com os achados imaginológicos, possamos encaminhar o paciente às especialidades médicas correspondentes (Cirurgia Vascular, Cardiologia) evitando um possível AVC. Os fatores de risco para o desenvolvimento de ateroma são:
-Idade acima de 45 anos
-Hábitos deletérios (tabagismo e/ou etilismo)
-Hipertensão, diabetes mellitus, hipercolesterolemia
-Obesidade
-Histórico pregresso (e familiar) de doenças cardiovasculares/AVE
Um dado interessante: um estudo recente publicado na International Journal of Cariology mostrou associação do nosso tão estudado Streptococcus mutans (agente etiológico primário da cárie dental) com a formação de placas de ateroma, assim como em certas cardiopatias! Não só o S Mutans, mas também outros patógenos periodontais também estão ligados à formação de placas de ateroma, uma vez que estas bactérias podem adentrar à corrente sanguínea e aderirem-se às paredes dos vasos sanguíneos, lesionando-os.

Acidente Vascular Cerebral: sua importância epidemiológica

Segundo a Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares, o Acidente Vascular Cerebral é a doença que mais mata os brasileiros. O AVC é caracterizado por um déficit neurológico súbito, decorrente de uma falha no aporte sanguíneo do encéfalo, quer pelo bloqueio ou pelo rompimento de uma artéria (AVC do tipo isquêmico ou do tipo hemorrágico, respectivamente). O AVC isquêmico está diretamente ligado ao acúmulo de ateroma da artéria carótida.

Imagem 4 folha 6

(fonte: http://www.sbdcv.org.br/publica_avc.asp).

Artéria Carótida

As artérias carótidas asseguram a irrigação arterial da cabeça e do pescoço (juntamente com as artérias vertebrais). A artéria carótida comum bifurca-se em carótida interna e externa na altura da terceira/quarta vértebra cervical: esta bifurcação é o local de maior acúmulo de placas de ateroma, que por vezes mineralizam-se e, portanto, podem ser observados pelos exames de Radiologia Odontológica.

Imagem 5 folha 7

Destaque em vermelho ilustra a localização da artéria carótida comum.
Fonte: http://www.sih.net/images/services/heart/vascular/carotid-arteries.jpg

Radiografias Panorâmicas

Algumas estruturas cervicais são projetadas nas Radiografias Panorâmicas, pois se localizam num ponto focal da incidência dos Raios X (conhecido por “Camada de Imagem”). Estas estruturas, pela sua densidade e espessura, são observadas através das Radiografias Panorâmicas e pela Tomografia Computadorizada por Feixe Cônico: é o caso de parte da coluna cervical (3), a cartilagem tireoide (2) (quando há sua mineralização fisiológica) e o próprio osso hioide (1), por exemplo.

Imagem 6 folha 8

Projeções de estruturas cervicais na Radiografia Panorâmica.
Mova o mouse em direção ao número para verificar a estrutura cervical correspondente.

Imagem 7 folha 9

Projeções de estruturas cervicais na Radiografia Panorâmica.
Mova o mouse em direção ao número para verificar a estrutura cervical correspondente.

A artéria carótida e seus ramos estão dentro do “foco” das radiografias panorâmicas, mas pela sua menor densidade e espessura, não são observadas (quer pelas radiografias panorâmicas quer pela tomografia computadorizada por feixe cônico). No entanto, as placas de ateroma, quando mineralizadas, podem ser vistas. A Radiografia Panorâmica a seguir mostra um Stent instalado na artéria carótida direita delimitando seu trajeto.

Imagem 8 folha 10

Aspectos Radiográficos

O ateroma de artéria carótida pode mostrar-se em diferentes aspectos imaginológicos, tais como: nodular (único ou múltiplo) e tubular, configurando-se no formato da luz de um vaso sanguíneo. Nas radiografias panorâmicas o ateroma pode aparecer abaixo do ângulo da mandíbula e adjacente ao osso hioide e à coluna cervical.

Imagem 9 folha 11

Paciente do gênero masculino, 80 anos.
Imagem radiopaca na região cervical, de aspecto tubular compatível com ateroma carotídeo, no lado esquerdo (Seta A).

Imagem 10  folha 12

Paciente do gênero masculino, 62 anos.
Seta A – Radiopacidade projetada na região cervical, de aspecto tubular, compatível com ateroma carotídeo bilateral.
Seta B – Calcificação da Cartilagem Tireóidea (fisiológica).

Imagem 11  folha 13

Paciente do gênero masculino, 56 anos.
Seta – A Radiopacidade tubular projetada na região cervical, compatível com ateroma carotídeo bilateral.
Seta C – Projeção do Osso Hioide.

Imagem 12  folha 14

Imagem 13  folha 15

Imagem 14  folha 16

Imagem 15  folha 17

Imagem 16  folha 18

Paciente do gênero feminino, 56 anos.
Seta – A Radiopacidade tubular projetada na região cervical, compatível com ateroma carotídeo, lado esquerdo.

Imagem 17  folha 19

O CD como profissional da saúde, além de atuar dentro do Aparelho Mastigatório, zela pela integridade sistêmica de seu paciente. Muitas vezes, achados clínicos podem interferir na intervenção odontológica, desde a cautela na escolha do componente anestésico em pacientes hipertensos, à prescrição do antibiótico mais adequado para cada caso e cada paciente; sem mencionar as manifestações orais de quadros sistêmicos.
Seguindo esta filosofia, a observação de calcificações distróficas na região cervical, por meio dos exames de Radiologia Odontológica, inspira cautela. Além do achado radiográfico, qual a probabilidade do paciente estar acometido pelo ateroma de artéria carótida (seu histórico, seus hábitos)? Tendo em vista que a circulação sanguínea é fechada, existe também a possibilidade de que outros vasos sanguíneos podem apresentar ateroma nas suas paredes (as artérias coronárias, por exemplo).
Eis o modo com o qual a Odontologia pode contribuir com a prevenção do Acidente Vascular Cerebral e também, em segunda instância, com o Infarto Agudo do Miocárdio. No nosso país, onde vemos que o aumento da perspectiva de vida é crescente, insistimos na ideia: devemos encaminhar os pacientes de risco para as especialidades médicas como a Cirurgia Vascular e a Cardiologia.

Papaiz Diagnósticos Odontológicos por Imagem
André Simões – Radiologista

Referências Biblígraficas

-Fernandes CP, Oliveira FA, Silva PG. Molecular analysis of oral bacteria in dental biofilm and atherosclerotic plaques of patients with vascular disease. International Journal of Cardiology. 2014 Jul 1;174(3):710-2. doi: 10.1016/j.ijcard.2014.04.201. Epub 2014 Apr 26.
-Sociedade Brasileira de Doenças Cerebrovasculares, Acidente Vascular Cerebral (http://www.sbdcv.org.br/publica_avc.asp.).
Papaiz EG; Capella LRC, Oliveira RJ. Atlas de Tomografia Computadorizada por Feixe Conico para o Cirurgião-dentista. São Paulo: Editora Santos, 2011 Capítulo 1 (Anatomia Craniofacial) p 2-3.
-Centurion, B, S. Estudo de calcificações em tecidos moles em exames deTomografia Computadorizada de Feixe Conico e Radiografia Panoramica Digital. Dissertação de Mestrado – Faculdade de Odontologia de Bauru. Universidade de São Paulo, 2011. Capítulo 3 (Pescoço) p 82-100.
-Scarfe WC; Farman AG. Soft Tissue Calcifications in the Neck: Maxillofacial CBCT Presentation and significance. AADMRT Newsletter, 2010; Spring: 1- 4.
-Ellis H; Logan BM; Dixon AK. Anatomia Humana Seccional: atlas de secções do corpo humano, imagens por TC e RM. 3. Ed. – São Paulo: Santos, 2010
-Allaredy, Veeratrishul. “Incidental findings on cone beam computed tomography”.thesis, University of Iowa, 2009. http://ir.edu/etd/457.

Comments are closed.